Tags

Rajkumar Sthabathy

 

 

 

 

Sim, eu era esse homem a recolher dessas mãos incrivelmente limpas os poucos préstimos de sua generosidade. Mãos alvas, sequer me interessava o restante provável do corpo que as sustentavam naquele movimento até mim, ali ao chão. Toquei-as, involuntário. E estremeci, como se num repente me percorresse o corpo a certeza de outro, que me tomasse sem sobreaviso, habitando os dois essa precariedade que eu era. Agradeci. Guardei os cents no bolso, e me perguntei para onde eu seguiria dali, então. Onde eu haveria de descansar esse corpo já negligenciado, sem que sentisse a ameaça me rondar nas sombras de uma madrugada árida desses confins. E se eu me exilasse, sim, buscasse outra afirmação, talvez se me recostasse sob uma marquise, esse corpo ainda, esse mesmo, talvez se eu o recostasse e aguardasse, como sempre fiz, quem sabe agarrado àquele fruto convulso em meu peito, e aguardasse sim, que essa dor não me consumisse por demais a parca existência e eu pudesse assim ansiar uma sobrevida, um pouco mais ainda…

 

 

 

© Fábio de Souza