Tags

Elizaveta Porodina

Elizaveta Porodina

 

 

 

De onde vem o negrume que nos paralisa?
Esse lume ao avesso
que nos rouba as manhãs?

De onde vem o azedume que nos hipnotiza?
Esse mel ao avesso
que envenena as maçãs?

De onde vem o queixume que nos penaliza?
Esse canto ao avesso
que nos dá notas vãs?

De onde vem o ciúme que nos vulgariza?
Esse amor ao avesso
que nos torna satãs?

De onde vem esse lume que nos eterniza?
Um negrume ao avesso
que nos mostra amanhãs.

© Tony Saad

Anúncios